15
dez
2010

Violência sexual infantojuvenil ainda é desafio para médicos

Atendimento na Fiocruz

Contar com uma equipe multidisciplinar capacitada para o atendimento de vítimas de violência sexual ainda é um privilégio, segundo a Dra. Ana Cristina Paixão, médica responsável pelo atendimento ginecológico da unidade materno-infantil do Instituto Fernandes Figueira (IFF), da Fiocruz, na cidade do Rio de Janeiro. Desde 1994, atendeu 71 casos de abuso sexual infantojuvenil com o apoio de uma equipe multidisciplinar, formada por profissionais de pediatria, psicologia, psiquiatria, enfermagem e serviço social.

A médica frisa que ainda falta muita informação entre os profissionais de saúde para lidar com estes casos. Em sua tese de mestrado, Ana Cristina estudou as dificuldades encontradas no relacionamento entre médico e paciente, ao se tratar de casos de abuso sexual, ouvindo profissionais da área. Ela comparou o atendimento entre um centro de referência multidisciplinar e uma unidade básica que, por falta de treinamento e equipe especializada, ainda apresenta muitas limitações.

Continue lendo

Tags: , , ,
2.807 leitura(s) - [ leia mais ]
13
dez
2010

Código de Conduta previne exploração sexual em hotéis

Recepção de hotel da Atlantica Hotels no último 18 de Maio

Em 2002, a Atlantica Hotels – maior administradora hoteleira independente multimarcas da América do Sul, com empreendimentos em 40 cidades brasileiras – decidiu criar um projeto chamado Criança Feliz. A iniciativa não teve o sucesso esperado porque a empresa ainda não tinha experiência na área de proteção da infância e precisava de ajuda especializada.

Esse projeto foi o embrião do que se transformou, três anos depois, em uma série de ações desenvolvidas em parceria com a Childhood Brasil, que previnem a exploração sexual de crianças e adolescentes e promovem o Turismo Sustentável. A partir da parceria com a Childhood Brasil, a Atlantica adotou o Código de Conduta para a Proteção de Crianças e Adolescentes contra a Exploração Sexual em todos os seus empreendimentos. O texto foi elaborado com apoio técnico da Childhood Brasil e a partir de sugestões dos próprios colaboradores. Um Manual de Procedimentos também passou a ser adotado por todos os colaboradores da rede. “Todo colaborador assina uma cláusula sobre a prevenção da violência sexual contra crianças e adolescentes e passa por treinamento a cada três meses”, firma a vice-presidente Dináurea Cheffins. “Somos um multiplicador, porque grande parte de nossos fornecedores e hóspedes também já estão envolvidos com a causa”.

Continue lendo

Tags: , , ,
3.048 leitura(s) - [ leia mais ]
10
dez
2010

Atlantica Hotels: referência internacional contra a exploração infantojuvenil

Logomarca da Parceria Atlantica Hotels e Childhood Brasil

No escritório da Atlantica Hotels Internacional (AHI), localizado em Alphaville/SP, além dos prêmios recebidos pela empresa na área de responsabilidade social, chama a atenção uma bonequinha de pano, com cabelo de lã, vestindo blaiser – ela retrata a vice-presidente Dináurea Cheffins. Foi confeccionada por jovens mães da Associação Lua Nova, de Araçoiaba da Serra, um dos projetos apoiados pela empresa através da parceria com a Childhood Brasil. A Lua Nova é considerada referência nacional na prevenção ao uso de drogas, AIDS, exploração sexual e gravidez na adolescência, entre meninas em situação de risco social.

Em agosto deste ano, Dináurea apresentou nos Estados Unidos, a parceria exitosa com a Childhood Brasil, que foca a prevenção da exploração sexual infantojuvenil e promoção do Turismo Sustentável, servindo de modelo e inspiração para outras empresas do setor.

Continue lendo

Tags: , , ,
2.924 leitura(s) - [ leia mais ]
9
dez
2010

Turismo não combina com exploração

Exploração sexual de crianças e adolescentes não é turismo. É CRIME.

Campanha “Um gol pelos direitos de crianças e adolescentes” será lançada simultaneamente em 13 cidades, buscando a prevenção da exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo

O Ministério do Turismo, em parceria com o Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília, lança hoje (09/12), uma campanha nacional de prevenção à exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo. A mobilização acontecerá nas 12 cidades-sede de jogos da Copa de 2014, e também em João Pessoa (PB).

Continue lendo

Tags: , , , ,
3.287 leitura(s) - [ leia mais ]
8
dez
2010

Mídia pode levar mais informações para profissionais de saúde e educadores sobre o abuso sexual

A presença da mídia é superior à da lei para coibir os casos de abuso e exploração sexual entre crianças e adolescentes, na opinião do pediatra Lauro Monteiro, fundador da Associação Brasileira Multiprofissional de Proteção à Infância e à Adolescência (Abrapia), extinta em 2006 e atual editor do site Observatório da Infância. Ele frisa que, de forma geral, tem melhorado a capacitação dos profissionais de saúde, mas ainda falta muita informação para os educadores.

Como a sociedade vê hoje o abuso sexual infantojuvenil. Há ainda há muitos mitos?

Sexo ainda é tabu, muitas pessoas acham vergonhoso denunciar e acreditam que a violência sexual contra crianças e adolescentes ocorre somente entre os mais pobres – o que não é verdade. A mídia tem mostrado que os casos de abuso são cometidos em todas as classes sociais e em todo o mundo, por médicos pediatras, padres e agora até por técnicos e treinadores esportivos.

Continue lendo

Tags: , , , ,
4.232 leitura(s) - [ leia mais ]
6
dez
2010

Professor: como agir diante de um possível caso de abuso sexual

Ilustração de Michele Iacocca para a cartilha Navegar com Segurança da Childhood Brasil

Para a educadora italiana Rita Ippolito, há quase duas décadas no Brasil e organizadora do Guia Escolar: Métodos para identificação de sinais de abuso e a exploração sexual em crianças e adolescentes (2003), uma publicação conjunta da Secretaria Especial dos Direitos Humanos e do Ministério da Educação, a prática da cidadania passa pela escola; os professores e educadores são os protagonistas desse processo, que envolve o respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a garantia dos direitos de seus alunos. Assim, é possível que, em algum momento, o educador se depare com uma criança em situação de abuso sexual. O que fazer? A seguir, algumas breves orientações.

Suspeita – “Se o professor tem uma suspeita, é importante que ele fale com o aluno”, afirma Rita. “O primeiro interlocutor fundamental é a criança e, para isso, o educador precisa conquistar sua confiança. Afinal, se o menino ou a menina sofreu de fato um abuso, pode considerar aquele adulto também como um inimigo.”

Continue lendo

Tags: , , , , ,
25.530 leitura(s) - [ leia mais ]
As ideias e opiniões expressas neste blog não refletem necessariamente a opinião da Childhood Brasil. Reservamos o direito de não publicar comentários de conteúdo discriminatório, que incitem qualquer tipo de violência, que não estejam relacionados ao tema foco do blog - proteção da infância contra o abuso e a exploração sexual, ou de caráter duvidoso.